CAPA | EDIÇÕES | BUSCA | SUBMISSÃO | SOBRE | CONTATO
       FÓRUM | - Vol. 4, Nº. 2 (2011)  
 

ARTIGO

DIÓGENES REBOUÇAS: MULTIPLICIDADE E DIVERSIDADE NA PRODUÇÃO DE UM ARQUITETO BAIANO



DIÓGENES REBOUÇAS: MULTIPLICITYDIVERSITY IN THE WORK OF AN ARCHITECT BAHIA




1. INTRODUÇÃO

Diógenes de Almeida Rebouças (1914-1994) foi, inquestionavelmente, o mais prolífico arquiteto e urbanista baiano entre o final da década de 1940 e os primeiros anos da década de 1960 e um dos principais responsáveis pela consolidação da arquitetura e do urbanismo modernos na Bahia. A sua participação no Escritório de Planejamento Urbano da Cidade do Salvador (EPUCS), como o encarregado, a partir de 1943, pela espacialização dos conceitos urbanísticos de Mário Leal Ferreira, lhe garantiu um vasto conhecimento da complexidade do sítio urbano soteropolitano. A partir da experiência do EPUCS, Rebouças se consagrou como o mais respeitado urbanista da Bahia, sendo nos anos seguintes o autor do traçado da primeira das avenidas de vale previstas pelo EPUCS, a Avenida Centenário (1948-49), e de diversos outros projetos de avenidas e planos de urbanização e de transporte de massa que transformaram a fisionomia da capital baiana.
 
Mesmo sem ter a graduação em arquitetura — que só obteria em 1952 —, o engenheiro agrônomo Diógenes Rebouças se tornou, a partir da década de 1940 e também como conseqüência direta de sua participação no EPUCS, no responsável pelos projetos arquitetônicos dos principais equipamentos urbanos previstos no planejamento de Salvador, como a Praça de Esportes da Bahia (Estádio Octávio Mangabeira ou Fonte Nova, 1942-1951), o Hotel da Bahia (com Paulo Antunes Ribeiro — 1947-1952), a Escola Parque (Centro Escolar Carneiro Ribeiro, com Hélio Duarte — 1ª fase: 1947-1950) e a Penitenciária do Estado (1950-1951). Os grandes equipamentos erguidos na Bahia no período cujos projetos não estiveram sob sua responsabilidade direta estiveram, ainda que indiretamente, relacionados com o seu papel de liderança no ambiente profissional baiano, sendo projetados por arquitetos forasteiros trazidos à Bahia por ele, como José Bina Fonyat Filho, autor do projeto do Teatro Castro Alves (1957-1968), e Lina Bo Bardi, que adaptou o antigo conjunto do Unhão em Museu de Arte Popular e de Arte Moderna (1959-1963).
 

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Apesar da inquestionável importância de Rebouças, uma produção crítica mais consistente sobre a sua obra arquitetônica ainda está por ser realizada. A bibliografia existente a respeito de sua obra arquitetônica é bastante reduzida, resumindo-se a uns poucos artigos publicados em periódicos (ALBAN et all , 1995) ou anais de eventos (AZEVEDO, 1997; ANDRADE JUNIOR, 2007), entrevistas realizadas com o arquiteto (WOLF, 1986; ALBAN e GALVÃO, 1999) e uma dissertação (NASCIMENTO, 1998) que se limita a uma descrição das obras produzidas no seu período de maior projeção, compreendido entre a realização do Estádio da Fonte Nova e a construção da Faculdade de Arquitetura. Um estudo mais aprofundado da produção arquitetônica de Diógenes Rebouças em toda sua complexidade e a partir da análise da farta documentação original disponível ainda está por ser feito.
 

3. LEVANTAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO ORIGINAL EXISTENTE

Apesar da intensa participação durante quase seis décadas no cenário cultural baiano, Diógenes Rebouças escreveu muito pouco. A sua obra construída e os desenhos de seus projetos que chegaram até os nossos dias, sobrevivendo àsobrevivendo s nte documento da sua produçs.  obra de Di ação do tempo, são os mais importantes documentos das suas idéias a respeito da arquitetura. Portanto, uma pesquisa sobre a sua produção projetual deve considerar como principais fontes primárias a serem consultadas os objetos arquitetônicos em si — as edificações construídas — e as pranchas e toda a documentação gráfica restante relativa aos projetos elaborados por Diógenes Rebouças.
Passados 14 anos da morte de Rebouças, o acervo do arquiteto se encontra atualmente disperso em diversos arquivos. Embora certamente existam outros arquivos com pranchas originais de Rebouças que ainda não foram consultados no âmbito desta pesquisa (como o arquivo da Construtora Norberto Odebrecht, o arquivo da Construtora Correia Ribeiro e o arquivo do Arquivo Público Municipal de Salvador), foram consultados até o momento cinco arquivos que abrigam uma parcela considerável das pranchas originais referentes aos projetos de autoria de Diógenes Rebouças, a saber:
 
 
Arquivo do Memorial Diógenes Rebouças, localizado no Mosteiro de São Bento: após a morte do arquiteto, a Construtora Norberto Odebrecht, para a qual Rebouças atuara como consultor nas suas últimas décadas de vida e que fora responsável pela construção de parte significativa de sua obra arquitetônica, comprou todo o seu acervo, incluindo a sua biblioteca particular, os quadros a óleo de sua autoria que retraram a antiga Salvador e as inúmeras plantas urbanísticas e arquitetônicas que Diógenes conservara em seu poder desde a sua participação no EPUCS. Em 1997, foi assinado um convênio entre a Construtora Norberto Odebrecht, o Mosteiro de São Bento, o Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (COFIC) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA) visando criar o Memorial Diógenes Rebouças no Mosteiro de São Bento, cujo plano de revitalização estava sendo desenvolvido pelo arquiteto ao falecer. Este Memorial foi inaugurado no ano seguinte, porém apenas as pinturas estão expostas neste espaço; os livros passaram em grande parte ao acervo da biblioteca, enquanto as plantas dos projetos de arquitetura e urbanismo que o arquiteto manteve em seu poder até a sua morte encontram-se ainda encaixotadas; embora tenham sido organizadas em envelopes por projeto, é um material que ainda não foi suficientemente pesquisado e que não se encontra armazenado da maneira mais adequada à sua conservação, pois as plantas de grandes dimensões — muitas delas com mais de cinqüenta anos — estão dobradas e guardadas em envelopes tamanho ofício.
 
-  Arquivo do Centro de Estudos da Arquitetura Baiana (CEAB) da Universidade Federal da Bahia: o arquivo do CEAB/UFBA inclui inúmeras pastas que contêm documentação gráfica relativa a cerca de trinta projetos de arquitetura e urbanismo, além de documentos textuais como memoriais de projeto, contratos para elaboração de estudos e projetos, textos produzidos no âmbito acadêmico, etc. Este material foi doado pelo Prof. Diógenes Rebouças ao CEAB ainda em vida e, da mesma forma que no arquivo do Memorial Diógenes Rebouças do Mosteiro de São Bento, no arquivo do CEAB as plantas originais de grandes dimensões encontram-se dobradas e armazenadas em envelopes.
 
Arquivo Documental da 7ª Superintendência Regional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional: atuando como consultor técnico do IPHAN na Bahia entre 1983 e 1990, Rebouças desenvolveu uma série de estudos e projetos arquitetônicos, urbanísticos e de restauração de monumentos para esta instituição. Durante pesquisa preliminar neste arquivo, pude identificar cerca de duzentos desenhos, realizados por Diógenes Rebouças ou por outros arquitetos e desenhistas sob a sua orientação, referentes a catorze projetos desenvolvidos pelo arquiteto neste período, alguns inclusive contando com projeto executivo completo. Diferentemente dos arquivos citados anteriormente, as plantas originais de Rebouças existentes na 7ª S.R./IPHAN encontram-se armazenadas em uma mapoteca, devido ao zelo dos servidores mais antigos da casa que trabalharam diretamente com ele, como o Arq. João Legal Leal. Não obstante o material não esteja organizado por projeto nem catalogado, as plantas ao menos estão armazenadas estiradas.
 
Arquivo da Prado Valladares Arquitetos S/C Ltda.: segundo depoimento do Arq. Lourenço do Prado Valladares, a partir de 1979, Rebouças colaborou em diversos projetos elaborados pelo Escritório Prado Valladares Arquitetos S/C Ltda., liderado pelo depoente e pela sua ex-esposa, a Arq. Luísa Furquim do Prado Valladares. Segundo o Arq. Lourenço do Prado Valladares, em todos os projetos elaborados nestas circunstâncias, a autoria foi sempre dos titulares do escritório, com Rebouças atuando como uma espécie de consultor. As únicas exceções seriam os projetos de reforma do Hotel da Bahia (1980-84) e a recuperação do Liceu de Artes e Ofícios da Bahia (1990-95), nos quais Rebouças pode ser identificado, sempre segundo Prado Valladares, como o verdadeiro autor do projeto. No arquivo do Escritório Prado Valladares Arquitetos S/C Ltda de Salvador existem jogos completos das pranchas originais de ambos os projetos. Estas pranchas estão organizadas em rolos por projetos que são ensacados, lacrados, etiquetados e cadastrados no banco de dados do escritório.
 
Arquivo da Euluz Empreendimentos Ltda.: a partir da década de 1970, Rebouças atuou com freqüência como consultor para a Euluz Empreendimentos Ltda. e para a Construtora EBRATE, ambas de propriedade do empresário Euvaldo Luz. Muitas das pranchas originais referentes a estes projetos encontram-se no arquivo da Euluz Empreendimentos Ltda., atualmente sediada no Shopping Center Barra, em Salvador.
 
Embora não possua documentação original, há um sexto arquivo localizado em Salvador que foi de grande ajuda no levantamento preliminar realizado. Trata-se do arquivo do Núcleo DOCOMOMO/Bahia, sediado no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UFBA e que inclui documentação relativa a alguns edifícios e projetos significativos da arquitetura moderna na Bahia, levantados por professores, estudantes de graduação e de pós-graduação e pesquisadores em geral do então Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da FAUFBA a partir de 1992. A documentação em questão corresponde à reprodução de plantas originais ou de cadastros realizados nas edificações, fotocópias de matérias e artigos publicados em periódicos na época da construção da obra, fotos produzidas pelos estudantes-pesquisadores quando da realização da pesquisa, etc. Existem cerca de dez projetos de Diógenes Rebouças documentados neste arquivo.
A partir do levantamento preliminar realizado nestes seis arquivos, associado às informações obtidas durante a revisão bibliográfica e através das entrevistas realizadas, foram elaboradas listagens preliminares dos estudos e projetos arquitetônicos e urbanísticos realizados por Rebouças entre as décadas de 1930 e 1990:
 
 
QUADRO 1: Listagem Preliminar de Estudos e Projetos Arquitetônicos
Realizados por Diógenes Rebouças (1935-1994)
 

OBRA

DATA

COLABORADORES

ENDEREÇO
FONTES DE DOCUMENTAÇÃO GRÁFICA

Catedral de Itabuna

1935-1936

Ernani Sobral (cálculo estrutural)

Itabuna (BA)

 

Jardim Público

1935

 

Itabuna (BA)

 

Residência dos Mendigos

1936?

Oito pavilhões masculinos e oito pavilhões femininos

Itabuna (BA)

 

Associação Atlética da Bahia

c. 1941

Jaziel

Barra — Salvador (BA)

Publicado na revista Técnica — Revista de Engenharia e Arquitetura — Bahia, n. 3, jan.-fev. 1941.

Residência Mirabeau Sampaio

1937

Segundo Nascimento, é de autoria do engenheiro civil Antônio Rebouças (irmão de Diógenes) e não de Diógenes; Paulo Ormindo de Azevedo, contudo, afirma ser de Diógenes o projeto desta residência

Rua Afonso Celso, esquina com Rua Eng. Milton Oliveira — Barra — Salvador  (BA)

 

Residência Edeládio Ribeiro

1938

 

Barris — Salvador (BA)

 

Mercado Municipal de Itabuna

1942?

 

Itabuna (BA)

Publicado na revista Técnica — Revista de Engenharia e Arquitetura — Bahia, n. 8, 1942

Complexo Esportivo da Fonte Nova ou PEB — Praça de Esportes da Bahia (estádio e vila olímpica)

1ª fase: 1942-51 (inaug. 28/01/51);

Consultoria informal através de contatos com Oscar Niemeyer e Rino Levi, facilitados por Mário Leal Ferreira; calculo estrutural e construção: Construtora Nacional. Rebouças afirma ter desenhado sozinho as 150 pranchas

Ladeira Fonte das Pedras ou Travessa Joaquim Maurício, s/n,  Nazaré — Salvador (BA)

O arquivo do DOCOMOMO/BA inclui algumas plantas e fotos do edifício em diversos momentos históricos; o arquivo do MDR/MSB também possui uma planta e algumas fotos.

Hotel Paulo Afonso

1947

Levou anos sem ser concluído, apenas com a estrutura e sem acabamentos

Fica em uma ponta sobre o rio — Paulo Afonso (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui um jogo de plantas do projeto em escala reduzida, enquanto o arquivo do CEAB/FAUFBA inclui algumas plantas na escala original.

Centro Escolar Carneiro Ribeiro (CECR — Escola Parque) (tombado pelo IPAC)

1947-50 (1ª fase) e 1959-63 (2ª fase: biblioteca, teatro e anfiteatro, ginásio)

Hélio Duarte inicia a elaboração do projeto, com duas escolas-classe, mas em seguida é transferido para o São Paulo pela Cia. Brasileira Imobiliária e Construções e Diógenes realiza o restante: outra escola classe e a Escola-Parque, incluindo o grande galpão das oficinas (quase 200 m de comprimento); desenvolvimento dos projetos de arquitetura e engenharia: Escritório Técnico Paulo de Assis Ribeiro (RJ); murais dos principais artistas plásticos baianos: Carybé, Mário Cravo, Jenner Augusto, Carlos Magno e Maria Célia Amado; Assis Reis colabora na 2ª fase. João Campos desenha alguma coisa da Biblioteca na década de 1960

Rua Manoel Drummond, Caixa D'Água — Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui cópias de pranchas de todo o trecho do conjunto projetado por Diógenes, a saber: Biblioteca, Administração, Atividades Socializantes/Oficinas, Auditório ao Ar Livre, Teatro e Cantina/Serviços Gerais. Bibliografia:

PEDRÃO, 1999.

Edifício Cidade do Salvador

1947-51

Painel no hall de acesso atribuído a Carybé

Av. Estados Unidos, nº 397, esquina com Rua da Polônia, Comércio — Salvador (BA)

 

Hotel da Bahia (atual Hotel Tropical)

1947-52

Paulo Antunes Ribeiro (o desenvolvimento do projeto se dá no Rio de Janeiro, no escritório de José Bina Fonyat — AZEVEDO, 1997, 191); Cia. Construtora Régis Agostini (eng. Oswaldo Augusto da Silva); mural de Genaro de Carvalho no coffee-shop, datado de 1950 (tombado pelo IPAC); painel de Carybé no saguão ; azulejos com motivos em relevo de Paulo Antunes Ribeiro.

Praça 2 de Julho (Campo Grande), nº 2 — Salvador (BA)

As plantas do projeto original e fotos da sua maquete e da obra construída foram publicadas pela revista Architecture d’Aujourd’hui em duas ocasiões: nº 27 (dez. 1949, p. 88-90) e nº 52 (jan.-fev. 1954, p. 32), bem como pela revista Arquitetura e Engenharia nº 36 (jul.-ago. 1955, p. 28-29); plantas e fotos do edifício antes da reforma de 1984 foram publicadas também por Mindlin (1999) e Cavalcanti (2001). A revista ABA/CAB, 1971 inclui fotos e desenhos dos detalhes das esquadrias deste edifício.

Reforma e ampliação do Conjunto Sanatorial de Santa Terezinha no âmbito da Campanha Nacional Contra a Tuberculose

1951

O pavilhão principal do Hospital Santa Terezinha, com 350 leitos, foi inaugurado em 03/01/42, construído por Emilio Odebrecht a partir de projeto de Azeredo, um arquiteto carioca. O pavilhão infantil, com 100 leitos, foi projeto de um funcionário da Secretária de Saúde, inaugurado em 29/10/48. Diógenes é o autor do pavilhão de triagem, com 430 leitos, do pavilhão anexo (sanatorial), com 342 leitos, do pavilhão de serviços gerais e do pavilhão da Cruz Vermelha, inaugurados em 27/01/1951. As ampliações realizadas entre 1948 e 1951 foram realizadas pela Companhia Construtora Régis Agostín

 

O arquivo do DOCOMOMO/FAUFBA inclui plantas cadastrais não originais do Hospital Santa Terezinha, provavelmente do volume original do Conjunto Sanatorial e não da ampliação realizada por Diógenes; o MDR/MSB possui apenas 3 plantas de detalhes do projeto realizadas entre 1948 e 1950.

Instituto de Radiologia da Bahia (atual IPS)

Final déc. 1940

 

Av. Joana Angélica, Nazaré — Salvador (BA)

 

Escola Normal Tipo — Bahia

1949-50

Escritório Técnico Paulo de Assis Ribeiro (projetos estrutural e de instalações elétrica e hidráulica); contratante: Secretaria de Educação e Saúde — Departamento de Educacão

Parece tratar-se de um projeto-tipo, repetível em diversas situações

O arquivo do CEAB/FAUFBA possui um jogo completo de pranchas do projeto.

Penitenciária do Estado (Lemos de Brito)

1950-51

Escritório Técnico Paulo de Assis Ribeiro (projetos estrutural e de instalações elétrica e hidráulica); contratante: Secretaria do Interior e Justiça do Estado da Bahia

Mata Escura — Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA possui jogos completos de plantas relativas aos projetos arquitetônico, estrutural e de instalações, todas elas creditadas ao Escritório Técnico Paulo de Assis Ribeiro; o arquivo do MDR/MSB também possui diversas plantas semelhantes.

Edifício Otacílio Gualberto (IPASE / INSS)

1952-53

Assis Reis foi o desenhista (foi o primeiro projeto que ele desenhou no escritório de Rebouças)

Segundo Assis Reis, foi vencedor de concurso público

Rua José Gonçalves, nº 102,  Centro — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui um jogo completo de pranchas do “Estudo I”, além de diversas pranchas com detalhes de esquadrias, brise-soleils e balcões.

Edifício Barão de Itapuã

Inaug. 1953

José Bina Fonyat; calculista: Carlos Sá; construtor: Francisco Pereira Neves; construção: Empresa Nacional de Engenharia; incorporação: Banco Hipotecário Lar Brasileiro S.A.; painéis de Carybé no pavimento térreo

Rua Barão de Itapuã, nº 74, Barra — Salvador (BA)

No arquivo do CEAB/FAUFBA, há um jogo completo de pranchas do projeto arquitetônico original; no arquivo do DOCOMOMO/FAUFBA, há uma reprodução de uma planta do pavimento tipo, datada de 1978. A Revista ABA/CAB, 1971 inclui fotos e desenhos dos detalhes das esquadrias deste edifício.

Edifício Almirante Barroso

1953-63 ou 1965?

Assis Reis (construtora N. Odebrecht)

Rua Miguel Calmon, nº 484/54/459, Comércio — Salvador (BA)

 

Centro Educacional de Maceió (atualmente, Centro Educacional Antônio Gomes de Barros)

1953-1957

Anteprojeto realizado com Fernando Machado Leal por indicação de Anísio Teixeira; projeto desenvolvido por órgãos públicos locais.

Bairro do Farol — Maceió (AL)

O arquivo do MDR/MSB possui um jogo completo de pranchas reduzidas do ante-projeto de Rebouças e Leal.

Escola Normal de Aracaju

1953

Anteprojeto realizado com Fernando Machado Leal por indicação de Anísio Teixeira; projeto desenvolvido por órgãos públicos locais.

Aracaju (SE)

O arquivo do CEAB/FAUFBA possui o anteprojeto completo, enquanto o MDR/MSB possui um jogo completo de pranchas reduzidas

Edifício Lord Cochrane

1954

Projeto realizado com Fernando Machado Leal para o BHLB; painel de Carybé na entrada, datado de 1954.

Rua Lord Cochrane, nº 49, Barra — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui um jogo completo de pranchas do projeto, nas escalas originais (1/50).

Edifício LARBRAS (Banco Lar Brasileiro)

1955

Projeto realizado com José Bina Fonyat para o BHLB; no hall de elevadores, painel em vidrotil de Carybé datado de 1955

Av. Estados Unidos, nº 81/6, Comércio — Salvador (BA)

 

Edifício Castro Alves

1955

Construtora: Cia. Brasileira Imobiliária e de Construção (sócios: Carlos Costa Pinto, Fernando Lapa e Carlos Sá); calculistas: Fernando Lapa e Carlos Sá; conta com um painel de Carybé no hall de entrada

R. Carlos Gomes, nº 103, Centro — Salvador (BA)

O arquivo do DOCOMOMO/FAUFBA possui alguns croquis e desenhos esquemáticos do pavimento tipo e da cobertura.

Residência Fernando Góes

1955

Assis Reis

Jardins de Burle Marx

Morro Ipiranga — Salvador (BA)

Existente. Segundo Rebouças (1999), foi construída entre 1942 ou 1943

Residência Odorico Tavares

1956

Assis Reis

Fernando Machado Leal resolveu um problema de uma escada secundária, segundo Paulo Ormindo, e por isso teria ganho co-autoria

Ou seria essa que tem jardins de Burle Marx

Rua Pancetti — Morro Ipiranga — Salvador (BA)

 

Residência Oswaldo Silva

195?

Anterior ao ingresso de Assis no escritório

Amaralina — próximo ao quiosque das baianas

Parece que foi demolida

Residência José Valladares

1956

 

Brotas — Salvador (BA)

Existente.

Residência Nilson Costa

195?

 

Brotas — Vila Laura — 2ª Rua

 

Residência Martinho Conceição (sogro de Rebouças)

195?

Anterior ao ingresso de Assis Reis no escritório. Demolida nos anos 1980 — no terreno foram construídos os edifícios Villa Velha e Villa Palma.

Av. Princesa Leopoldina, nº 17,  Graça — Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui algumas pranchas relativas a este projeto.

 

Residência Dr. José Rebouças

195?

 

Vitória (ES)

 

Edifício Comendador Urpia

1955-57

Assis Reis (que não gosta do projeto pois acha que tem muito V)

Av. Euclides da Cunha, nº 109 ou 706, Graça — Salvador (BA)

O arquivo DOCOMOMO/FAUFBA possui reproduções de plantas do pavimento térreo, pavimento tipo e cobertura, além da reprodução de um croqui publicitário publicado em jornal por ocasião do lançamento do empreendimento

Escola Politécnica

1955-60

Fernando Machado Leal e José Bina Fonyat; o projeto é desenvolvido no escritório de Paulo de Assis Ribeiro, no Rio de Janeiro

Rua Aristides Novis, nº 02, Federação — Salvador (BA)

 

Dois Blocos de Apartamentos para Bancários

1957

Bina Fonyat; proprietário: Instituto de Aposentadoria dos Bancários.

Itapagipe — Salvador (BA)

Publicado na revista Acrópole, n. 223, mai. 1957, p. 250-251, que inclui plantas e fotos de maquetes — este material encontra-se reproduzido no arquivo do DOCOMOMO/FAUFBA. O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui diversas fotos da maquete deste projeto.

Edifício-Sede da TV Itapoã S.A.

Inaug. 1957

Contratante: Emissoras e Diários Associados (Assis Chateaubriand)

R. Jardim Federação, nº 81, Federação — Salvador (BA)

O arquivo do DOCOMOMO/FAUFBA inclui cópias de um cadastro datado de 1980.

Faculdade de Farmácia

1957-62

 

Campus da UFBA, Vale do Canela — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui uma única planta baixa do projeto.

Edifício Itaípe

Fim déc. 50

 

Av. Sete de Setembro, nº 122,  Ladeira de São Bento, Centro — Salvador (BA)

 

Residência Antônio Gouveia

1957

Assis Reis

Rua Barão de Loreto — Graça — Salvador (BA)

 

Residência Elísio de Carvalho Lisboa

 

1958

Assis Reis

Rua José Pancetti, nº 7 — Morro Ipiranga — Salvador (BA)

 

Residência Manoel Gordilho

1958

Assis Reis

Avenida Princesa Isabel — Salvador (BA)

 

Residência Carlos Costa Pinto

1955-58

Euvaldo Reis (arquiteto da Construtora de Costa Pinto)

Paulo Ormindo trabalhou no detalhamento de esquadrias

Av. Sete de Setembro, nº 2490, Corredor da Vitória — Salvador (BA)

 

Edifício Ouro Preto

1953-1961

Assis Reis

Construtora N. Odebrecht

Rua Miguel Calmon, nº 506/61, Comércio — Salvador (BA)

 

Auditórios do Centro Regional do INEP (atualmente Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas — FFCH)

Início da déc. de 60

Assis Reis (segundo Assis, Rebouças quase não trabalhou neste projeto)

Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA, Estrada de São Lázaro, Federação — Salvador (BA)

 

Colônia de Férias do SESC (Clube e Hotel)

1961

Assis Reis

Av. Otávio Mangabeira, Piatã — Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui pranchas relativas ao estudo preliminar, ao ante-projeto e o projeto completo da Colônia de Férias, além de perspectivas.

Ginásio de Esportes do SESC

Início da déc. de 60

 

Aquidabã — Salvador (BA)

 

SESC-Nazaré

Projeto: 1959-61; Inaug. dez. 1962

Assis Reis (segundo Assis Reis, Rebouças quase não trabalhou neste projeto)

Construtora Norberto Odebrecht

Av. Joana Angélica, 246/1541, Nazaré — Salvador (BA)

No arquivo do DOCOMOMO/FAUFBA, encontram-se cópias de diversas pranchas de um cadastro realizado posteriormente no imóvel (provavelmente em 1991, quando o edifício passou por uma reforma)

Estação Rodoviária (atual Mercado)

1961-62

Assis Reis (segundo Assis Reis, Rebouças quase não trabalhou neste projeto e ele — Assis — definiu quase tudo)

Azulejos de Udo Knoff na fachada; desenvolvido no âmbito dos estudos para o Trecho Urbano da BR-28: Retiro-Porto

R. Cônego Pereira, Sete Portas — Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui diversas pranchas relativas a este projeto, relativas a perspectivas e plantas e cortes esquemáticos

Estação Marítima Visconde de Cairú (atual Sede da CODEBA)

1962

Assis Reis (segundo Assis Reis, Rebouças quase não trabalhou neste projeto e ele — Assis — definiu quase tudo. Depois Diógenes alterou a fachada com aqueles planos recuados e avançados)

Estrutura: S.T.U.P. — Sociedade Técnica para Utilização da Pré-Tensão (Processos Freyssinet) S.A.

Av. da França, Comércio — Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui o jogo completo de pranchas relativas a este projeto.

Reforma do Campo Grande

1963

Assis Reis

Av. Estados Unidos, nº 439/26, Comércio —Salvador (BA)

Publicado nos jornais Diário de Notícias de 27/08/1963 e Jornal da Bahia de 24/08/1963.

Edifício BANEB

1963

 

Av. Estados Unidos, nº 439/26, Comércio — Salvador (BA)

 

Edifício-sede da Telebahia

1963

Assis Reis

Rua Arquimedes Gonçalves, Jardim Baiano — Salvador (BA)

 

Projeto de ampliação e remodelação das instalações do escritório da S.A. Magalhães Comércio e Indústria

1963 ou 1964

Assis Reis, Yoshiakira Katsuki  e João Campos

Comércio — atrás da Associação Comercial

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui diversas pranchas de detalhes originais deste projeto.

Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia

1963-67 (ala leste); 1971 (inaug. audit.)

Arq. Fernando Fonseca, eng. Américo Simas Filho e Eng. Hernani Sobral; jovens colaboradores: estudantes da Faculdade (Ana Maria Fontenelle, Analdino Lisboa, Carlos Campos); projeto estrutural: Escritório Técnico Júlio Kassoy e Mário Franco; instalações elétricas: Romeo Coelho

Rua Caetano Moura, 121, Federação — Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA possui um jogo completo das pranchas relativas aos projetos arquitetônico e estrutural.

Frigorífico FRIUSA

c. 1965

Projeto realizado para a Melhoramentos da Bahia, dos grupos Odebrecht e Correia Ribeiro, com a participação de um grupo de técnicos liderados por Rômulo Almeida

Cais de 10 Metros (Terminal de Containers do Porto) — Água de Meninos — Salvador (BA)

 

Fábrica de Ferro Ligas da SIBRA

1966-67

Colaboradores: Eng. Olavo Fonseca, Arq. Heliodorio Sampaio e Arq. Delmo Aragão; projeto estrutural: Escritório Técnico Júlio Kassoy e Mário Franco. Projeto realizado para a Melhoramentos da Bahia, dos grupos Odebrecht e Correia Ribeiro, com a participação de um grupo de técnicos liderados por Rômulo Almeida.

Quem desenhou foi Ubirajara Rebouças, sobrinho de Diógenes

Centro Industrial de Aratu — Simões Filho (BA)

 

Novo Mercado Modelo

Déc. 1960

Projeto realizado para a Melhoramentos da Bahia, dos grupos Odebrecht e Correia Ribeiro, com a participação de um grupo de técnicos liderados por Rômulo Almeida

Salvador (BA)

 

Edifício Visconde de Cayru

1968

Construtora N. Odebrecht — colaboradores: Heliodorio Sampaio, Ana Maria Fontenelle, Analdino Lisboa, João Campos

Av. Estados Unidos, nº 45/4,  Comércio — Salvador (BA)

 

Centro de Abastecimento de Aracaju

1968-69

Clan S.A. Consultoria e Planejamento

Aracaju (SE)

O arquivo do MDR/MSB possui um jogo completo de pranchas do projeto, enquanto o arquivo do CEAB/FAUFBA inclui uma planta de situação deste projeto.

Ampliação do Complexo Esportivo da Fonte Nova

1968-71

Colaborador: Heliodorio Sampaio; execução: Construtora Norberto Odebrecht S.A., Companhia Comércio, Imóveis e Construção Ltda e COSAL; fundações: FOÁ Engenharia e Fundações Ltda.

Ladeira Fonte das Pedras ou Travessa Joaquim Maurício, s/n,  Nazaré — Salvador (BA)

O arquivo do DOCOMOMO/BA inclui algumas plantas e fotos do edifício em diversos momentos históricos; o arquivo do MDR/MSB também possui uma planta e algumas fotos.

Terminal de Ferry-Boat de São Joaquim

1969?

Construtora Norberto Odebrecht S.A.; contratante: Secretaria de Transportes e Comunicações

São Joaquim — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui uma planta do projeto.

Edifício D. João VI

1969

Construtora N. Odebrecht — colaboradores: Heliodorio Sampaio, Ana Maria Fontenelle, Analdino Lisboa, João Campos

R. da Bélgica, nº 10/148, Comércio — Salvador (BA)

 

Edifício-Garagem Otis

1970

Construtora N. Odebrecht — colaboradores: Heliodorio Sampaio, Ana Maria Fontenelle, Analdino Lisboa, João Campos

Av. da França, nº 3, Comércio — Salvador (BA)

 

Edifício Residencial Maria Isabel

1963

Odebrecht

Esquina da Avenida Princesa  Leopoldina com Barão de Sergy — Barra — Salvador (BA)

 

Shopping Center na Praça da Piedade

1967-1985

Euvaldo Luz + EBRATE

 

Piedade — Salvador (BA)

No arquivo da Euluz Empreendimentos Ltda. existe um croqui realizado por Rebouças em 1975 e um corte esquemático realizado por João Campos em 1975 a partir do croqui de Rebouças.

Este projeto, que Rebouças levou quase vinte anos “maturando”, terminou sendo realizado de forma bastante alterada a partir da década de 1980 nos Shoppings Center Lapa e Piedade, de autoria de outros profissionais

Edifício Residencial Santa Maria

197?

 

Campo Grande ou Barra — Salvador (BA)

 

Edifício Casa Grande da Barra

1969-71

Trata-se de um projeto de Heliodório Sampaio, que teve como consultor Diógenes Rebouças (através da construtora EBRATE) e que é erroneamente atribuído a Rebouças

Rua Dr. José Serafim, nº 100, Barra — Salvador (BA)

 

Edifício-Sede do CEPED — Centro de Pesquisas e Desenvolvimento

1971

colaboradores: Heliodorio Sampaio, Ana Maria Fontenelle, Analdino Lisboa, João Campos

Pituaçu, próximo ao CAB — Salvador (BA)

A maquete do projeto foi publicada no jornal A Tarde de 13/09/1971

Supermercado Paes Mendonça

1971

Desenhista: João Campos

Chame-Chame (ao lado do Shopping Barra)

 

Estádio Tricolor

1971

Contratante: Esporte Clube Bahia

Desenhista: João Campos

Vale do Camorogipe, entroncamento das Av. Antônio Carlos Magalhães e Paralela — Salvador (BA)

Um croqui do projeto e a atribuição da sua autoria a Rebouças se encontram no artigo “A Grande Arrancada do Futebol Baiano”, publicado no jornal Tribuna da Bahia em 29/03/1971.

Fabrica da Salgema Indústrias Químicas (atual Trikem S.A.)

Início c. 1971 - inaug. 1976

Clientes: Euluz Empreendimentos + Du Pont + Governo do Estado de Alagoas

Pontal da Barra — Maceió (AL)

 

Biblioteca Central da UFBA

1973

Colaboradores: João C. Brasileiro, Sônia Kalil, Fernando Fahel

Campus da Federação da UFBA, Ondina — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui um jogo completo das pranchas do ante-projeto em escala reduzida.

Faculdade de Farmácia da UFBA

1973

Colaboradores: João C. Brasileiro, Sônia Kalil, Fernando Fahel

Campus da Federação da UFBA, Ondina — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui uma planta baixa do ante-projeto em escala reduzida.

Escola de Belas-Artes da UFBA

1973

Colaboradores: João C. Brasileiro, Sônia Kalil, Fernando Fahel

Campus da Federação da UFBA, Ondina — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui uma planta baixa do ante-projeto em escala reduzida.

Restaurante e Intercurso Social da UFBA

1973

Colaboradores: João C. Brasileiro, Sônia Kalil, Fernando Fahel

Campus da Federação da UFBA, Ondina — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui uma planta baixa do ante-projeto em escala reduzida.

Projeto de Recuperação e Reforma do Hotel da Bahia (atual Hotel Tropical)

1980-84

Prado Valladares Arquitetos S/C (Lourenço Prado Valladares); engenheiro Luís Fernando Smidt (fiscal de obras da contratante, a Rede Tropical de Hotéis); construtora: OAS

João Campos participou

Praça 2 de Julho (Campo Grande), nº 2 — Salvador (BA)

Há uma cópia de algumas plantas deste projeto de reforma no arquivo do DOCOMOMO/FAUFBA

O jogo completo de pranchas do projeto encontra-se no Escritório Prado Valladares Arquitetos S/C Ltda.

Ampliação da Santa Casa de Misericórdia

Déc. 1980

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Cachoeira (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui diversas plantas e croquis deste projeto.

Museu do SPHAN na Casa dos Sete Candeeiros

Déc. 1980

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Rua São Francisco, nº 32, Centro — Salvador (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui diversas plantas e croquis deste projeto.

Centro Cívico e Cultural e estacionamentos subterrâneos

Déc. 1980

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Quarteirão localizado entre as ruas do Tijolo, Saldanha da Gama, José Gonçalves e Ladeira da Praça — Salvador (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui diversas plantas e croquis deste projeto.

Museu Hansen Bahia

Déc. 1980

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Cachoeira (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui diversas plantas e croquis deste projeto.

Recuperação da Igreja de Nossa Senhora da Barroquinha

Déc. 1980

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Barroquinha, Centro — Salvador (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui algumas plantas e croquis deste projeto.

Recuperação do Engenho Vitória do Paraguaçu

Déc. 1980

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Vitória do Paraguaçu — Cachoeira (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui algumas plantas e croquis deste projeto.

Recuperação do Solar dos 7 Candeeiros

Déc. 1980

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Rua São Francisco, nº 32, Centro — Salvador (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui algumas plantas e croquis deste projeto.

Estudo para inserção de uma porta na fachada principal do Convento de Nossa Senhora da Conceição da Lapa

2ª metade dec. 1980

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Av. Joana Angélica, s/n, Nazaré — Salvador (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui algumas plantas deste projeto.

Estacionamento subterrâneo na Praça da Sé para 320 automóveis

2ª metade dec. 1980

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Praça da Sé

 

Casa de Cultura da Bahia

2ª metade dec. 1980

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Barroquinha — Salvador (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui algumas plantas deste projeto.

Proposta substitutiva para o Mercado da Prefeitura Municipal de Salvador

1986

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Largo em frente ao Forte de Santa Maria, Barra — Salvador (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui algumas plantas e croquis deste projeto.

Restauração e adaptação do Solar Berquó em sede da D.R. do IPHAN na Bahia

1983-88

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Rua Visconde de Itaparica, nº 6/8, Barroquinha — Salvador (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui o projeto completo, incluindo todos os detalhes executivos e as propostas dos volumes não realizados.

Capela de Santa Bárbara

1986-88

Projeto elaborado na condição de consultor-técnico do IPHAN

Saída para Muritiba, São Félix (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui todas as plantas arquitetônicas e relativas aos projetos complementares, além de alguns croquis.

Centro Geriátrico na Fazenda Jacarandá

1989

 

Distrito de Pedras — Santo Amaro (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui algumas plantas do estudo, relativos à implantação e zoneamento, além de uma perspectiva

Mezanino da Faculdade de Arquitetura da UFBA

1991-93

Diógenes Rebouças atuou apenas como supervisor do projeto realizado por equipe da FAUFBA, coordenada por Heliodorio Sampaio; projeto estrutural: V&S Engenheiros Consultores S/C; projeto elétrico: Nivaldo Temi

Rua Caetano Moura, 121, Federação — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui diversas pranchas dos projetos arquitetônico, estrutural e de instalações elétricas, incluindo ainda detalhes arquitetônicos.

Recuperação do Paço de Saldanha / Liceu de Artes e Ofícios

1990-95

PradoValladares Arquitetos S/C (Lourenço Prado Valladares); Construtora Norberto Odebrecht

Rua Guedes de Brito, nº 14, Centro — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB inclui plantas e croquis de diversas versões deste projeto.

O arquivo da Prado Valladares Arquitetos S.C. possui diversos jogos de plantas do projeto executivo, datadas de 1992 e 1993 (Pacotes 534, 536 e 540)

Plano de Revitalização do Mosteiro de São Bento

1994

Construtora Norberto Odebrecht

Largo de São Bento -

O arquivo do MDR/MSB possui plantas e croquis deste projeto.

Projeto de Hotel

Sem data

Projetado para o Banco Lar Brasileiro

Corredor da Vitória — Salvador (BA) (no local onde foi construído na década de 1960 o Hotel Plaza, projetado por José Bina Fonyat Filho)

 

Conjunto de Edifícios de Apartamentos em Ondina

Sem data

 

Entre a avenida Adhemar de Barros e a rua  Baependi, Ondina — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui um jogo completo do estudo preliminar para um conjunto de quatro edifícios de apartamentos.

Conjunto de casas populares

Sem data (dec. 1950?)

José Bina Fonyat Filho; BHLB (Banco Hipotecário Lar Brasileiro)

Caixa D’Água — Salvador (BA)

 

Conjunto Residencial

Sem data (dec. 1950?)

José Bina Fonyat e J. Álvaro Peixoto; contratado pelo BHLB

Rua Clião Arouca, Brotas — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui algumas pranchas de detalhes deste projeto.

Residências para Funcionários da Usina Acutinga S.A.

Sem data

 

 

O arquivo do MDR/MSB possui uma planta da unidade residencial deste projeto.

Centro de Treinamento e Seminário da Diocese de Itabuna

Sem data

 

Faz. Conceição, Distrito de Ferradas — Itabuna (BA)

O arquivo do MDR/MSB possui um jogo de pranchas completo deste projeto.

Hospital de Paulo Afonso

Sem data

 

Paulo Afonso (BA)

 

Auditório do IHEPC

Sem data

 

Salvador (BA)

 

Mercado Público de Jequié

Sem data

 

Jequié (BA)

 

Residência Dr. Falcão

Sem data

João Campos acredita que seja a Residência de João Falcão, na rua Clementino Fraga, Jardim Atlântida, Ondina, recentemente demolida

Salvador (BA)

 

Residência Nilo Simões Pedreira

Sem data

Assis Reis

 

Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui algumas pranchas de detalhes originais deste projeto.

Residência Rômulo Almeida

Sem data

Assis Reis

 

Rua Bahia, Rua Ceará, Pituba — Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui plantas e cortes do projeto original desta residência.

Projeto de ampliação da Escola Góis Calmon

Sem data

Assis Reis

Barris — Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui um jogo completo de pranchas relativas a este projeto.

Edifício de escritórios

Sem data

Contratante: Imobiliária Antônio Ferreira de Souza Limitada

Desconhecido

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui um jogo completo de pranchas relativas a este projeto.

 
 
QUADRO 2: Listagem Preliminar de Projetos Urbanísticos e Atividades de Planejamento Realizados por Diógenes Rebouças (1935-1994)
 

OBRA

DATA

COLABORADORES

ENDEREÇO
FONTES DE DOCUMENTAÇÃO GRÁFICA

Loteamento Parque Cruz Aguiar

Déc.1940

Realizado dentro do EPUCS/CPUCS

Salvador (BA)

A planta e os perfis esquemáticos do projeto original foram publicados em PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR; OCEPLAN, 1976.

Plano de urbanização para o bairro de Paripe

Dec. 1940

Realizado dentro do CPUCS

Paripe — Salvador (BA)

 

Plano de urbanização para o bairro de Itapuã

Dec. 1940

Realizado dentro do CPUCS

Itapuã — Salvador (BA)

 

Avenida Centenário

1948-49

Realizada dentro do CPUCS

Salvador (BA)

 

Avenida de Contorno

1952 (projeto); 1958-60

Projeto elaborado já no escritório de Rebouças

Colaborador: Paulo Ormindo de Azevedo

Salvador (BA)

Os arquivos do MDR/MSB e do CEAB/FAUFBA possuem diversas plantas do projeto original e do projeto realizado.

Plano de Arruamento da Área Adjacente ao Porto

1958

Contratado pela Cia. Docas da Bahia

Comércio — Salvador (BA)

o arquivo do CEAB/FAUFBA inclui um jogo completo de pranchas relativas ao projeto urbanístico em questão.

Trecho urbano da BR-28 entre o Retiro e o Porto de Salvador

1961-62

 

Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui um estudo completo relativo a este projeto.

Estudo de Aproveitamento da Enseada de Itapagipe

Década de 1960

Assessores: Eng. Enéas Gonçalves Pereira e Prof. Admar Braga Guimarães; colaboradores: dentre outros, os arquitetos Paulo Ormindo de Azevedo, Assis Reis, Luiz Maurício Guimarães e Luiz Fortunato Augusto de Silva

Desenvolvido por solicitacao de Rômulo Almeida, na época que este coordenava a CPE (Comissão de Estudos Econômicos)

Itapagipe — Salvador (BA)

O arquivo do CEAB/FAUFBA inclui uma série de plantas e seções esquemáticas, relativas a zoneamento e estudos de implantação de áreas industriais, quadras residenciais, etc.

Avenida Bonocô

1970

 

Salvador (BA)

 

Avenida Reitor Miguel Calmon (Vale do Canela)

1970

 

Salvador (BA)

 

Sugestão de traçado para a BA-099 e acesso ao Castelo Garcia d’Ávila

1982

 

Mata de São João (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui o desenho original da proposta, enquanto o arquivo do CEAB/FAUFBA possui uma cópia do laudo, incluindo uma cópia da planta da proposta.

Sugestão para a Estrada Intermunicipal de acesso à Cidade de Mucugê

Déc. 1980

 

Mucugê (BA)

O arquivo da 7ª SR/IPHAN inclui algumas plantas relativas a este projeto.

Projeto de Transporte de Massa para Salvador

Sem data

 

Campo Grande, Piedade e Baixa dos Sapateiros — Salvador (BA)

O arquivo do MDR/MSB inclui uma série de “seções típicas” e plantas esquemáticas relativas às seguintes estações: Campo Grande, Piedade, J.J. Seabra.

 
 
Não obstante as inúmeras lacunas e imprecisões deste quadro, trata-se indiscutivelmente do mais completo levantamento da obra projetual de Rebouças
 

4. MULTIPLICIDADE E DIVERSIDADE NA OBRA DE REBOUÇAS

Embora a parte mais conhecida da obra de Rebouças corresponda à produção das décadas de 1940 e 1950, fortemente influenciada pela arquitetura moderna da Escola Carioca, sua produção arquitetônica se estendeu de meados da década de 1930 até a sua morte, em 1994. Esta produção inclui mais de uma centena de edifícios, desde a Catedral de Itabuna — “projeto ainda estilisticamente indefinido” (AZEVEDO, 1997: 188) — até construções com nítidas influências do metabolismo japonês, como a Estação Marítima Visconde de Cairú (1962), e do brutalismo, como a Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia (1ª etapa: 1963-67), além de edifícios neocoloniais, como a sede da Associação Atlética da Bahia (c. 1941), e em estilo colonial americano, como o Palacete Carlos Costa Pinto (1955-58). Além disso, em termos tipológicos a sua produção é amplamente diversificada, e inclui dezenas de projetos de intervenção em edifícios históricos, a maior parte deles realizados na condição de colaborador do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.
 
 
AGRADECIMENTOS
 
Agradeço aos Arquitetos Leonardo Falangola Martins e Eugênio de Ávila Lins, atual e ex Superintendente Regional da 7ª S.R./IPHAN, por estimularem as minhas pesquisas sobre a atuação de Diógenes Rebouças nesta instituição; ao colega João Legal Leal, pela dedicação e preocupação com que vem cuidando do acervo de Rebouças existente na 7ª S.R./IPHAN; às Professoras Anna Beatriz Ayroza Galvão e Naia Alban Suarez, por facilitarem o acesso ao material existente sobre Rebouças nos arquivos do Núcleo Docomomo/Bahia do PPG-UA/FAUFBA (e também por terem constituído esse importante acervo); à Arq. Mariely Cabral de Santana e aos Professores Eugênio de Ávila Lins e Luiz Antônio Fernandes Cardoso (CEAB/FAUFBA) e à Arq. Maria Hermínia Hernández e ao Sr. Paulo Néri (Mosteiro de São Bento), por terem autorizado o meu acesso aos documentos referentes aos projetos de Rebouças existentes nos respectivos arquivos. Agradeço ainda aos Arquitetos Francisco de Assis Couto dos Reis, Paulo Ormindo de Azevedo, João Carlos Fernandes Campos, Analdino Lisboa, Antônio Heliodorio Lima Sampaio e Lourenço do Prado Valladares, ex-colaboradores de Rebouças, pelos depoimentos concedidos; e ao Arq. Eduardo Furtado de Simas pelo depoimento sobre a atuação de Rebouças no IPHAN nas década de 1980 e 1990. Aos arquitetos Lourenço do Prado Valladares e João Carlos Fernandes Campos agradeço também por terem me permitido acessar e fotocopiar plantas de projetos que contaram com a participação de Rebouças, existentes respectivamente no arquivo do Escritório Prado Valladares Arquitetos S/C Ltda. e no arquivo da Euluz Empreendimentos Ltda. 
 
 
REFERÊNCIAS
 
ALBAN, Naia; NERY, Pedro; REIS, Assis. Diógenes / Documento. Revista AU, São Paulo, n. 58, p. 55-63, fev./mar. 1995.
 
AMARAL, Dom Emanuel D’Able do. Gostosa Bahia: Tributo à memória de um mestre. A Tarde, 29 jun. 1996, Caderno Cultural, p. 6-7.
 
ANDRADE JUNIOR, Nivaldo Vieira de. Arquitetura Moderna e Preexistência Edificada: intervenções sobre o patrimônio arquitetônico de Salvador a partir dos anos 1950. In: SEMINÁRIO DOCOMOMO BRASIL, 6.  Anais...  Niterói: PPG-AU/UFF / DOCOMOMO Brasil / CREA/RJ, 2005. (CD-Rom).
 
_____. Arquitetura Moderna e Reciclagem do Patrimônio Edificado: a contribuição baiana de Diógenes Rebouças. In: SEMINÁRIO DOCOMOMO BRASIL, 7. Anais... Porto Alegre: PROPAR/UFRGS, 2007 (CD-Rom).
 
ANDRADE JUNIOR, Nivaldo Vieira de; ALBAN SUAREZ, Naia. Reconhecimento, Valor de Mercado e Habitabilidade da Arquitetura Moderna: um estudo de caso baiano. In: SEMINÁRIO DOCOMOMO Brasil, 5.  Anais... São Carlos: Departamento de Arquitetura e Urbanismo / Escola de Engenharia de São Carlos — Universidade de São Paulo, 2003 (CD-Rom).
 
ASSIS REIS. Depoimento. Rio de Janeiro: Instituto de Arquitetos do Brasil / Departamento do Rio de Janeiro, 1978. p. 273-302.
 
AZEVEDO, Paulo Ormindo de. Diógenes Rebouças, um pioneiro modernista baiano. In: CARDOSO, Luiz Antônio Fernandes; OLIVEIRA, Olívia Fernandes de. (Re) Discutindo o Modernismo: universalidade e diversidade do movimento moderno em arquitetura e urbanismo no Brasil. Salvador: Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFBA, 1997, p. 187-200.
 
_____. Arquitetura Baiana: a contribuição regionalista. A Tarde ( Caderno Cultural), 16 fev. 2002,  p. 6-8.
 
BRUAND, Yves. Arquitetura Contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1981.
 
CARDOSO, Luiz Antônio Fernandes; OLIVEIRA, Olívia Fernandes de (Org.). (Re) Discutindo o Modernismo: universalidade e diversidade do movimento moderno em arquitetura e urbanismo no Brasil. Salvador: Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFBA, 1997.
 
CAVALCANTI, Lauro. Quando o Brasil era Moderno : Guia de Arquitetura 1928-1960. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001.
 
FAUFBA — CEAB. Evolução física de Salvador .  Salvador : manuscrito original sem publicar, 1977. (v. III, IV)
 
FICHER, Sylvia; ACAYABA, Marlene Milan. Arquitetura Moderna Brasileira. São Paulo: Projeto, 1982.
 
FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber . Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.
 
 
GOODWIN, Philip L.. Brazil Builds : architecture new and old — 1652-1942. Nova York: The Museum of Modern Art, 1943.
 
HARRIS, Elizabeth Davis. Le Corbusier : Riscos Brasileiros. São Paulo: Nobel, 1987.
 
KIRSH, Mafalda. A Bahia de Rebouças. A Tarde ( Caderno 2), 23 nov. 1996, p. 8.
 
LEME, Maria Cristina da Silva (coord.). Urbanismo no Brasil 1895-1965 . São Paulo: Studio Nobel; FAUUSP; FUPAM, 1999.
 
MARTINEZ, Socorro Targino. Semeador de sonhos urbanos. A Tarde ( Caderno Cultural), 29 jun. 1996, p. 10.
 
MENEZES, Bernardo de. Memorial deve preservar a obra de Diógenes Rebouças. A Tarde, 28 nov. 1997, p. 2.
 
MINDLIN. Henrique; CAVALCANTI, Lauro (org.). Arquitetura Moderna no Brasil . Rio de Janeiro: MinC/IPHAN , 1999.
 
Morre Diógenes Rebouças, um mestre da arquitetura. Bahia Hoje , 7 dez. 1994, p. 3.
 
NASCIMENTO, Valdinei Lopes do. Salvador na Rota da Modernidade (1942-1965): Diógenes Rebouças, arquiteto, 1998. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Salvador: FAUFBA, 1998.
 
NERY, Pedro Aloisio Cedraz. Assis Reis: Arquitetura, Regionalismo e Modernidade. 2002. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Universidade Federal da Bahia, Salvador.
 
PEDRÃO, Angela West. A Escola-Parque, uma experiência projetual arquitetônica e pedagógica. Revista Rua , Salvador, n. 7, p. 24-29, jul./dez. 1999.
 
PERES, Fernando da Rocha. O baianoflorentino Diógenes Rebouças. A Tarde (Caderno Cultural), 18 fev. ,1995, p. 4-5.
 
_____. Um risco salvador. A Tarde (Caderno Cultural), 29 jun. 1996, p. 9.
 
PINHEIRO, Shirley. Homenagem a um mestre. A Tarde (Caderno 2), 18 jun. 1996, p. 3.
 
PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR; OCEPLAN. EPUCS — Uma Experiência de Planejamento Urbano. Salvador: Prefeitura Municipal de Salvador, 1976.
 
REBOUÇAS, Diógenes. História do Fazer Moderno Baiano — entrevista de Diógenes Rebouças a Naia Alban e Anna Beatriz Galvão. Revista Rua , Salvador, n. 7, p. 116-125, jul./dez. 1999.
 
REBOUÇAS, Diógenes; GODOFREDO FILHO. Salvador da Bahia de Todos os Santos no Século XIX . Salvador: Odebrecht, 1985.
 
REBOUÇAS FILHO, Diógenes. O homem amplo da cidade órfã. A Tarde ( Caderno Cultural), 29 jun. 1996, p. 8-9.
 
RISÉRIO, Antonio. Avant-Garde na Bahia . São Paulo: Instituto Lina Bo, 1995.
 
SAMPAIO, Antonio Heliodório. Formas Urbanas — Cidade Real & Cidade Ideal. Contribuição ao estudo urbanístico de Salvador. Salvador: Quarteto: PPG/AU-FAUFBA, 1999.
 
_____. Silenciosa presença em traços e marcas. A Tarde ( Caderno Cultural), 29 jun. 1996, p. 2-3.
 
SEGAWA, Hugo. Hélio Duarte (1906-1989): moderno e peregrino. Projeto , São Paulo, n. 80, p. 59-65, out./nov. 1998.
 
_____. Arquiteturas no Brasil 1900-1990 . São Paulo: EDUSP, 2002.
 
SILVEIRA, José. O admirável (e quixotesco) Hélio Duarte. Projeto , São Paulo, n. 131, p. 52-53, abr./mai. 1990.
 
SIMAS, Eduardo Furtado de. Entusiasmo pelo IPHAN. A Tarde ( Caderno Cultural), 29 jun. 1996, p. 5.
 
TEIXEIRA, Cid. A Arquitetura e o Arquiteto. A Tarde ( Caderno Cultural), 29 jun. 1996, p. 4.
 
UFBA homenageia arquiteto. Bahia Hoje ( Caderno Classibahia Imobiliário), 15 jun. 1996,  p. 1.
 
WOLF, José. Que é isso, Bahia? — entrevista de Diógenes Rebouças a José Wolf. AU, n. 6, p. 30-31, jun. 1986.
 
 
APÊNDICES
 
Apêndices podem ser usados para mostrar  documentos, na íntegra ou em parte, a derivação de fórmulas, descrever com mais detalhes os aparatos e métodos utilizados e outros aspectos que não são essenciais para a apresentação geral do trabalho, desde que respeitado o limite total de 20 páginas para o artigo completo.
 
MENU DO ARTIGO
RESUMO
METADADOS
VERSÃO P/ IMPRESSÃO